Por um almoço de Páscoa com sentido

Tudo começou com um jantar. Os acontecimentos que culminaram com a morte redentora de Cristo tiveram início em uma refeição, preparada pelos discípulos na casa de “um certo homem”. (Mateus 26.17-30)

Foi ali, diante da mesa posta, que Jesus lavou os pés dos discípulos e que Judas foi revelado como traidor. Foi ali também que se instituiu a ceia do Senhor e que Jesus reiterou a promessa de voltar a cear com os discípulos em um dia especial.

O clima daquele jantar em nada se parece com a agitação das ruas e dos shoppings, com os anúncios massivos dos supermercados disputando a clientela que, por sua vez, se vê compelida, pela tradição ou pela mídia, a celebrar a Páscoa que se aproxima.

No próximo domingo, milhões de famílias ocidentais estarão reunidas para o almoço de Páscoa. Ovos de chocolate farão a alegria de crianças e adultos. Na mesa, certamente, haverá o que de melhor cada família puder servir, segundo suas posses. Mas, em quantas casas haverá ao menos uma oração, celebrando a morte e a ressurreição de Cristo?

Renovação da esperança

Já em alguns países onde o cristianismo não é a religião predominante, os seguidores de Cristo desejarão também se reunir com outros irmãos e partilhar uma refeição, para celebrar o mais importante acontecimento do cristianismo: a vitória de Cristo sobre a morte, após a humilhante, porém redentora crucificação.

Entretanto, para a maioria desses cristãos, isso será impossível sem que corram algum risco. Prisões, ameaças, insultos e agressões são alguns componentes que ameaçam a comemoração da semana santa de milhões de irmãos nossos espalhados pelo mundo.

Talvez, para aqueles que se arriscarem, o almoço de Páscoa deste ano ainda guarde alguma semelhança dramática com aquele longínquo jantar onde tudo começou, dois mil anos atrás.

Mas, em 2010, que em meio às compras e aos preparativos para o feriado prolongado, que em meio às dúvidas e às expectativas de perseguição, os cristãos livres e os cristãos perseguidos voltem seus olhos e suas mentes para aquela longínqua refeição comunitária. Que ao meditar nela e nos acontecimentos que a sucederam, os cristãos de todos as nações sejam fortalecidos e revigorados na esperança daquela refeição futura, num dia especial, em que todos juntos cearão com seu vitorioso Senhor.

Cristina Ignacio
Missão Portas Abertas
http://www.portasabertas.org.br/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s