Beijos do Pai

Uma grande bênção é nossa, quando nós cremos que fomos feitos para sentar nos lugares celestiais. O que é essa bênção? É o privilégio da aceitação:

“Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado” (Efésios 1:6).

A palavra grega “agradáveis” significa “altamente favorecidos”. É diferente de usar em nosso idioma, o que significa “recebeu como aceitáveis”, o que implica algo que pode ser suportado, sugerindo uma atitude de “eu posso viver com isso”. Mas não é este o uso que Paulo dá à palavra. O emprego que Paulo da palavra “agradáveis” pode ser traduzido como: “Somo muito favorecidos por Deus. Somos especiais para ELE porque estamos em nosso lugar em Cristo”.

Porque Deus aceitou o sacrifício de Cristo, agora ele vê apenas o corpo de um homem, Cristo e aqueles que estão unidos a Ele pela fé. Nossa carne está morta aos olhos de Deus. Como? Jesus se livrou do nosso velho homem na Cruz. Agora, quando Deus olha para nós, Ele vê somente a Cristo. Em contrapartida, precisamos aprender a nos ver como Deus nos vê. Isso significa não apenas olhar para os nossos pecados e fraquezas, mas olhar para a vitória que Cristo conquistou para nós na Cruz.

A parábola do filho pródigo nos dá uma ilustração poderosa de aceitação que vem quando nos é dada uma posição celestial em Cristo. Você conhece a história: Um jovem pediu ao pai sua herança legítima e desperdiçou em uma vida pecaminosa. Então, uma vez que estava moralmente, fisicamente e emocionalmente falido, ele pensou em seu pai. Ele estava convencido de que tinha perdido todo o seu nome. E temia que seu pai estivesse cheio de raiva e ódio contra ele.

A Escritura nos diz que este jovem estava cheio de dor quebrado pelo seu pecado e gritou: “Eu não sou digno. Eu pequei contra o céu”. Isto representa aqueles que vêm ao arrependimento em Deus.

O filho pródigo disse para si mesmo:

“Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai pequei contra o céu e perante ti” (Lucas 15:18).

Ele estava exercendo a bênção de ter acesso, o privilégio de acesso ao pai. Está entendendo a figura? O filho pródigo tinha se arrependido de seu pecado, havia deixado o mundo para trás e teve acesso à porta aberta que seu pai havia prometido. Ele estava arrependido e estava liberado para esse acesso.

Então o que aconteceu com o filho pródigo?

“E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão, e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou” (Lucas 15:20).

pai_filhoQue cena bonita! O filho pecador foi perdoado, abraçado e amado por seu pai, sem ira ou condenação.

Quando ele recebeu o beijo de seu pai, ele sabia que foi aceito de forma incondicional.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s